Após uma semana em solo mineiro Africanos se despedem com avaliação da visita ao Norte de Minas

*Elen Valéria de Sá

A Comitiva Africana que chegou no Norte de Minas no último dia 08 de julho, após uma semana de visita aos Plantios de algodão nas cidades de Catuti-MG e Mato Verde-MG e aprendizado sobre todo o processo da cultura do algodão, reuniu-se na tarde deste sábado, 15 de julho, para avaliação sobre a visita no Norte de Minas.
A avaliação foi feita no Auditório da Favenorte – Faculdade Verde Norte, no Município de Mato Verde-MG.
Estiveram reunidos o Prefeito de Catuti, José Barbosa Filho-Zinga, o Técnico Agrícola José Tibúrcio Carvalho Filho, o Professor da UFLA – Universidade Federal de Lavras, Antônio Carlos Fraga e a Comitiva Africana acompanhado do tradutor/intérprete Elhadji Cheikh.

A Comitiva conta com 35 africanos de 09 países, entre eles, Universitários do Curso de Agronomia e Engenheiros Agrônomos. O Objetivo da Missão Africana no Brasil, especialmente no Norte de Minas, foi conhecer o cultivo do algodão na agricultura familiar, vinculado ao “Projeto de Retomada do Algodão no Norte de Minas”, para assim levar conhecimento para seus países e poder implantar as técnicas usadas aqui no cultivo do algodão na agricultura familiar, nos seus respectivos solos africanos.

O prefeito Zinga, idealizador do Projeto de Retomada do Algodão no Norte de Minas, acolheu a Comitiva na sede da Prefeitura de Catuti e acompanhou a Comitiva Africana durante as visitas e na oportunidade de hoje deixou os seus sinceros agradecimentos a todos: “Me sinto muito honrado de ter feito parte desse importante momento na história de Catuti com a visita desta Comitiva Africana. Aprendemos muito com vocês e espero que vocês tenham aprendido com o que viram aqui sobre o algodão. Assim como vocês vieram aqui, eu também tenho vontade de conhecer a África, conhecer os Países de vocês. Voltem mais vezes, somos povo acolhedor e festeiro. Ficamos muito felizes com a visitas de vocês”.

O africano Sidice, do País Mali, em nome de toda a Comitiva, fez o seu agradecimento: “Agradeço primeiramente a Deus e a todos que aqui nos receberam. A riqueza do solo brasileiro é muito grande. Em nome de todos africanos quero agradecer um homem que mostra humildade para ouvir até os mais pequenos e escutar os estrangeiros, o Zinga, eu creio que ele é um homem especial, ele com a graça de Deus irá de Glória em Glória. Obrigado por tudo que foi nos feito essa semana, no fundo do meu coração. Muito obrigado ao mestre Tibúrcio por todos os ensinamentos passados. Obrigado ao Presidente da Coopercat e os produtores que nos receberam tão bem. Obrigado a todos pela acolhida”.

O professor Antônio Carlos Fraga, da Universidade de Lavras, Instituição de Ensino Superior que proporcionou o intercâmbio da vinda dos africanos ao Brasil, em especial ao Norte de Minas, fez as suas considerações e explanou sobre os avanços do algodão em Minas Gerais.

O Técnico Agrícola, José Tibúrcio, agradeceu a todos e falou da satisfação em ter contribuído de alguma forma para o conhecimento dos visitantes africanos e falou sobre a organização que é o ponto estratégico para o desenvolvimento e produção eficaz: “Esperamos ter contribuído com o crescimento de vocês. Para mim é um honra poder contribuir para o aprendizado de vocês sobre a cultura do algodão. Somos profissionais organizados. Tudo que viram aqui é resultado de muito trabalho. Responsabilidade no que se faz e com as pessoas que se envolve.

Ofertar informações é o essencial e cabe a vocês buscar a UFLA, a Cooperativa de Produtores de Catuti – Coopercat, Amipa – Associação Mineira de Produtores de Algodão, Abrapa – Associação Brasileira de Produtores de Algodão, o conjunto de produtores, prefeito, unir forças e buscar por resultados. Estamos todos a disposição de vocês. A visita suas está nos dando prazer e resultados, reforçando juntos a união de todos os órgãos que apoiam o Projeto do Algodão no Norte de Minas. O grande aspecto é organizar em tecnologia, fazer com que os agricultores se interessem por isso. Criar momentos de Dia de Campo com Unidades Demonstrativas é muito importante e com resultados imediatos. Que o nosso trabalho aqui inspire em vocês o gosto pela área do cultivo do algodão”, lisonjeado finalizou Tibúrcio.

A avaliação sobre a visita da Comitiva Africana no Norte de Minas, no “Projeto de Retomada do Algodão”, foi de grande valia para todos. A Comitiva segue para a Cidade de Lavras no domingo/16 de julho e após, segue para os seus respectivos países africanos.

Administração: “Valorizando Nosso Povo” – 2017/2020

*Jornalista/Assessoria de Comunicação e Imprensa